Archive Page 2

Fragmento 16


com uma sequência de imagens
surge a sensação
de uma história sendo contada
mostrando que nunca existiu cronologia
ou ao menos brincando e sugerindo
que o antes, o depois e o agora
são fragmentos de uma mesma imagem
assim como o que eu vou fazer
acontece simultaneamente
com o que ja fiz
e com o que faço

Fragmento 6


contas e impostos pra pagar
prazos e horários para cumprir
interesses para administrar…
e de repente eu olho mas não vejo.
eu vou e chego, mas não estou.
e continuo procurando
sem perceber que já encontrei.
se não houvesse a foto
eu não acreditaria

Fragmento 25


esta luz que se espalha pela vida
surpreende-se ao se deter em nós
e vai contornando nossa presença
sem perceber que transforma em imagem
o que antes era ausência
enquanto foge do olhar
deixando na pele
o perfume da cor
 

Fragmento 38


e quando olhar para a fotografia,
tente entender que você não esteve
naquele lugar que fotografou
da mesma forma como está agora diante da imagem
do lugar onde esteve.
sua percepção do momento
foi alterada pela imagem do momento

Fragmento 22


nunca é exatamente como eu imagino
e continua mudando durante os deslocamentos
e também no intervalo entre
mover a câmera e acionar o obturador.
do mesmo jeito que as coisas são diferentes
entre o modo como gostariamos de viver
e a forma como conseguimos viver.
venha como ela é,
uma foto ou uma circunstância,
estou aprendendo a aceitar

Fragmento 12


enquanto nos vemos geometrizados
pelo trânsito das circunstâncias,
o abalo sísmico que nos atinge
talvez ainda não nos custe sangue
mas nos cobre de vergonha e indignação
por termos que sobreviver
entre os escombros
da justiça e da honestidade
que os políticos jogaram ao chão
acreditando que a impunidade não terá reação

Fragmento 23


eu não vejo nenhum tipo de certeza
ao fotografar uma brincadeira do vento
ou a distração de uma luz refletida
e quando existe opção de escolha
prefiro acreditar na dúvida
que se apresenta aos olhos
inconsciente da imprevisibilidade
de vir a ser imagem